Vaidades dentro da igreja: a realidade de pessoas imaturas que precisam de oração e apoio

O ser humano vive em intenso conflito e depois do pecado original, perdeu a harmonia, pureza e equilíbrio iniciais. Agora, vivemos lutando contra as paixões desordenadas e muitas vezes caímos em diversos erros. Essa nossa natureza decaída nos faz sermos vaidosos, egoístas e mesquinhos, e essa realidade aparece também na Igreja.

A irritação e a raiva de quem é orgulhoso e outras meditações atuais

Vivemos em um mundo onde as pessoas se esqueceram de Deus e não buscam o auxílio do Espírito Santo, que traz paz, união, amor e nos capacita para as boas obras. Quando depositam suas esperanças apanas em si mesmas, as pessoas tornam-se orgulhosas e caem muito facilmente na irritação e na raiva. Você tem presenciado muita raiva e falta de educação em algum ambiente que frequenta? Eis o motivo!

São Jerônimo nos ensina a amar a Palavra de Deus

Todos os anos, no dia 30 de setembro, ao final do mês da Bíblia, celebramos a memória do grande tradutor e exegeta das Sagradas Escrituras, São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja. Embora tenha um dia em sua memória, seus ensinamentos são válidos para todos os dias do ano e podemos aprender com São Jerônimo a amar a Palavra de Deus.

Por que existe o sofrimento? Entenda a santificação das dores humanas e veja tudo de uma maneira diferente

O homem, manchado pelo pecado original, sempre buscará o prazer e o pecado, fugindo da dor e buscando todo o tipo de benefício, mesmo que ilícito. Em uma sociedade que busca tanto conforto e apenas tem olhos para o material, o sofrimento só pode ser visto como uma grande praga ou castigo. É assim que a pessoa sem fé (inclusive as que participam de alguma religião) enxerga o sofrimento.

Em pecado, você pode usar seus dons para agradar aos homens, mas não agradará a Deus

Todos nós nascemos com capacidades e talentos naturais. Estes são responsáveis pela facilidade ou prazer que encontramos para realizar certos trabalhos, é uma inclinação, predileção por tais afazeres. Temos como exemplo: as habilidades manuais, de raciocínio lógico, o talento musical, a capacidade espacial, interpessoal, entre outras. Eles nos vêm como dons de Deus, infundidos na pessoa, geralmente transmitidos pela genética ou ao se desenvolver uma prática. São os chamados dons naturais.