São Jerônimo
Agregando Valores / Conhecimento

São Jerônimo nos ensina a amar a Palavra de Deus

Todos os anos, no dia 30 de setembro, ao final do mês da Bíblia, celebramos a memória do grande tradutor e exegeta das Sagradas Escrituras, São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja. Embora tenha um dia em sua memória, seus ensinamentos são válidos para todos os dias do ano e podemos aprender com São Jerônimo a amar a Palavra de Deus.

Veja também:

O amor pela Palavra de Deus

Quando rezamos, falamos com Deus. Quando lemos a Sagrada Escritura, Deus fala conosco”. São Jerônimo.

No XVI centenário da morte de São Jerônimo, Papa Francisco publicou a Carta Apostólica SCRIPTURAE SACRAE AFFECTUS, com informações sobre a vida de São Jerônimo que nos levam a renovar o nosso amor pela Palavra de Deus e pela vida virtuosa.

São Jerônimo
São Jerônimo

A seguir, partilho com você dois trechos do documento de Papa Francisco:

“A propósito, gosto de lembrar uma história, de tradição apócrifa. Jerónimo pergunta ao Senhor: “Que quereis de mim?”. E Ele responde: “Ainda não Me deste tudo”. “Mas, Senhor, já Vos dei isto… isto… e isto…” – “Falta uma coisa!” – “O quê?” – “Dá-Me os teus pecados, para que Eu possa ter a alegria de voltar a perdoá-los.”

“A sua é uma cultura colocada ao serviço dos outros, insistindo na necessidade dela para todo o evangelizador. Assim o recorda ao amigo Nepociano: “A palavra do sacerdote deve ganhar sabor graças à leitura das Escrituras. Não quero que sejas um declamador ou um charlatão com muitas palavras, mas alguém que entende a doutrina sagrada (mysterii) e conhece profundamente os 4 ensinamentos (sacramentorum) do teu Deus. É típico dos ignorantes jogar com as palavras e ganhar a admiração do povo inexperiente com uma declamação rápida. Os desavergonhados muitas vezes explicam o que não conhecem e pretendem ser grandes peritos só porque conseguem persuadir os outros.”

Acesse o documento na íntegra aqui:

Ensinamento de São Jerônimo

Para finalizar, um ensinamento de São Jerônimo:

“Não procures fazer figura pondo-te a criticar os outros e aprende a tornar mais perfeita a tua vida antes que denegrir a dos outros. São verdadeiramente poucos os que sabem afastar-se deste defeito, e é bem raro encontrar alguém que queira mostrar-se tão irrepreensível na sua vida que não critique com satisfação a vida alheia. Não há outra coisa, de fato, que ponha a alma em tanto barulho e que torne o espírito tão volúvel e leviano quanto o prestar fé com facilidade a tudo, e dar ouvido temerariamente às palavras dos críticos. É daí que surgem discórdia sobre discórdias e sentimentos de ódio que não têm motivo de ser. É justamente este defeito que frequentemente torna inimigas pessoas que, antes, eram amigas do peito. Se este mal está universalmente difuso, se este vício está vivo e forte em muitos, é justamente porque encontra, quase em todos, ouvidos complacentes”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *