ConhecimentoSanta Missa e Liturgia

Compartilhar é semear! Envie este conteúdo para suas redes sociais:

Está se aproximando a Solenidade da Ascensão de Jesus, uma das muitas festividades litúrgicas celebradas pela Igreja no Tempo Pascal. Mas o que são esses tempos litúrgicos? E o que significa dizer que estamos celebrando o Tempo Pascal?

É comum, até mesmo entre católicos, que não se conheça muito a respeito dos tempos litúrgicos além da diferença das cores nas vestes utilizadas pelo padre na celebração. Então, para que se compreenda o que é esse período que estamos passando, é necessário que expliquemos brevemente alguns pontos centrais da Liturgia.

Santa Missa
Fonte: Agência Ecclesia.

A Missa, celebração onde se vivencia a Paixão e Ressurreição de Jesus Cristo através da participação de seus méritos no Calvário, é um sacrifício incruento, ou seja, sem sofrimento. É a renovação do mesmo sacrifício sofredor de Jesus na Cruz. A Igreja celebra esse sacrifício diariamente, mas especialmente e de maneira obrigatória aos fiéis nos Domingos, dia em que
o Senhor ressuscitou. Essas celebrações são divididas em um ano litúrgico que passa por todos os maiores mistérios da Igreja na pessoa de Jesus. Esse ano é dividido com o foco em duas grandes festas – o Natal e a Páscoa – dois tempos de preparação para essas festas e o “Tempo Comum”, novidade trazida pela reforma litúrgica do Concílio Vaticano II e é o Tempo em que celebramos e vivenciamos o período de vida pública de Nosso Senhor, seus milagres e a pregação do Evangelho.

O período que abre as portas para o ano litúrgico é o Advento, tempo no qual se espera com oração e silêncio pela festa do Natal. A cor utilizada nesse período nas vestes é roxa, que é uma cor que recorda penitência e espera. Logo depois, vem o Natal, onde se usa a cor branca, por conta da luz de Cristo. A cor branca também é utilizada em dias em que se celebra Nossa
Senhora ou a festa de algum santo, também por conta do simbolismo com a pureza e a santidade, que vêm de Deus.

Veja também:

Logo depois, entramos brevemente no Tempo Comum, onde se usa verde, a cor da esperança, pois nos encontramos no cotidiano da vida cristã e sempre no aguardo do novo. E mais adiante adentramos em um outro período de espera: a Quaresma, utilizando novamente o roxo. É um período intenso de penitência, oração e esmola, recordando os quarenta dias de jejum feitos por Jesus no deserto, onde foi tentado por Satanás.

Após esse período de Quaresma, adentramos a Semana Santa, para enfim celebrar a Páscoa. Nessa semana recordamos os últimos dias de Jesus em Jerusalém antes de sua crucificação. Por fim, temos o Tríduo Pascal, onde se celebra enfim a Páscoa, também fazendo uso da cor branca.

Além dessas três cores, a Igreja faz uso de mais duas, uma de maneira mais comum e outra quase que em desuso. Uma delas é a vermelha, utilizada nos dias em que se celebra a Paixão de Nosso Senhor – como o Domingo de Ramos e a Sexta-feira Santa – nos dias de santos martirizados, que derramaram seu sangue por amor a Cristo e nos dias relacionados ao Espírito Santo, que desceu sobre os cristãos em Pentecostes como fogo. Por fim, há a cor preta, que costumava ser utilizada em celebrações onde houvesse luto, como o dia de Finados, mas, após a reforma litúrgica, a cor utilizada costuma ser o roxo.

Sobre quem escreveu:

Gabriela-Barros

Instagram da autora.

Compartilhar é semear! Envie este conteúdo para suas redes sociais:

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário