tentação
Agregando Valores

A maneira certa de reagir ditante das tentações

Hoje você vai entender que até Jesus Cristo suportou tentações. Sua atitude nos dá uma direção sobre como devemos reagir diante das tentações. O artigo de hoje é baseada na análise do missionário Alexandre Oliveira, da Comunidade Canção Nova.

Jesus foi tentado

O tempo de solidão de Jesus no deserto é descrito nos Evangelhos, imediatamente após seu batismo por João:

“Levado pelo Espírito” ao deserto, Jesus ali fica 40 dias sem comer, vive com os animais selvagens e os anjos o servem. No fim dessa permanência, satanás o tenta por três vezes, procurando questionar sua atitude filial para com Deus. Jesus rechaça esses ataques que recapitulam as tentações de Adão no Paraíso e de Israel no deserto, e o diabo afasta-se d’Ele “até o tempo oportuno” (Lc 4,13).

Como devemos reagir diante das tentações?

Os evangelistas ressaltam o sentido salvífico desse acontecimento misterioso. Jesus é o novo Adão, que ficou fiel, ao contrário do primeiro que sucumbiu à tentação. A vitória de Jesus sobre o tentador, no deserto, antecipa a vitória da Paixão, obediência suprema de seu amor filial ao Pai. A tentação de Jesus manifesta a maneira que o Filho de Deus tem de ser Messias – o oposto da que lhe propõe satanás e que os homens desejam atribuir-lhe. É por isso que Cristo venceu o tentador por nós.

Também a Palavra de Deus vai nos ensinar o seguinte: 

“Ninguém, ao ser tentado, deve dizer: ‘É Deus que me tenta’, pois Deus não pode ser tentado pelo mal e tampouco tenta a alguém. Antes, cada qual é tentado por sua própria concupiscência, que o arrasta e seduz” (Tiago 1,13-14).

Portanto, não é Deus quem nos tenta. Somos tentados pela nossa própria concupiscência. E as tentações vão surgindo para – a exemplo do que aconteceu com Nosso Senhor – também nos questionar em nossa atitude filial para com Deus, ou seja, para questionar o nosso amor ao Pai, o nosso serviço ao Evangelho, o nosso desejo de santidade.

Ao sermos tentados, devemos fazer o mesmo que Cristo fez: rejeitar cada uma delas! É preciso renunciar e não ficar “lidando” com esses ataques do inimigo, pois as tentações sempre mexem com os nossos sentidos e querem nos levar a cair em algo, a princípio, prazeroso, mas que não passa de uma armadilha.

Tomemos cuidado com as tentações, pois elas são como “ratoeiras”, capazes de nos atingir se não estivermos vigilantes e firmes na graça de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *