Padre Pio
Vida dos Santos

A bela história de Padre Pio

Padre Pio de Pietrelcina foi herdeiro espiritual de São Francisco de Assis e o primeiro sacerdote a ter impresso sobre o seu corpo os estigmas da crucifixão. Ele é conhecido em todo mundo como o “frei estigmatizado”. O Padre Pio, a quem Deus deu dons particulares e carismas, se empenhou com todas as suas forças pela salvação das almas. Os muitos testemunhos sobre a grande santidade do Frei, são relatados até hoje, acompanhados de sentimentos de gratidão. Suas intercessões providencias junto a Deus foram para muitos homens causa de cura do corpo e motivo de renovação do espírito. Vamos saber um pouco mais sobre sua bela história.

Veja também: Eu te levantarei. Uma música para te restituir.

A bela história de Padre Pio

Padre Pio de Pietrelcina se chamava Francesco Forgione, e nasceu na Pietrelcina, num pequeno povo da Província de Benevento, na Itália, em 25 de maio de 1887. Ele pertencia a uma família humilde e, desde muito menino, Francesco experimentou em si o desejo de consagrar-se totalmente a Deus, o que o diferenciava das demais criança. Tal “diferença” foi observada por seus parentes e amigos. Narra a mãe Maria Giuseppa  Di Nunzio: “Não cometeu nunca nenhuma falta,  não tinha caprichos, sempre obedeceu a mim e a seu pai, a cada manhã e a cada tarde ia à igreja visitar Jesus e a Virgem. Durante o dia não saía nunca com os seus companheiros. Às vezes eu dizia: – “Francì vá um pouco a brincar”. Ele se negava dizendo: – “Não quero ir porque eles blasfemam”.

Do diário do Padre Agostinho de San Marco em Lamis, um dos diretores espirituais de Padre Pio, soube-se que desde 1892 quando tinha apenas cinco anos, viveu já suas primeiras experiências místicas espirituais. As aparições foram frequentes, mas  para o menino pareciam absolutamente normais.

Padre Pio

Com o passar do tempo, realizou-se para Francesco o que foi o seu maior sonho: consagrar totalmente a sua vida a Deus.

Em 6 de janeiro de 1903, aos dezesseis anos, entrou como clérigo na ordem dos Capuchinhos. Foi ordenado sacerdote na Catedral de Benevento, em 10 de agosto de 1910. Dessa maneira, teve início sua vida sacerdotal, que por causa de suas condições precárias de saúde, se passou primeiro em muitos conventos da província de Benevento. Ele esteve em vários conventos por motivo de saúde e, a partir de 4 de setembro de 1916, chegou ao convento de San Giovanni Rotondo, sobre o Gargano, onde ficou até 23 de setembro de 1968, dia de seu pranteado falecimento.

Padre Pio

Nesse longo tempo, o Padre Pio iniciava seus dias despertando-se ainda de noite, muito antes da aurora, e se dedicava à oração com grande fervor, aproveitando a solidão e silêncio desse período. Ele visitava diariamente por longas horas Jesus Sacramentado, preparando-se para a Santa Missa, e daí sempre tirou as forças necessárias para seu grande trabalho com as almas, levando-as até Deus no Sacramento da Confissão. Atendia confissões por longas horas, até 14 horas diárias, e assim salvou muitas almas.

Os estigmas

Um dos acontecimentos que mais marcaram a vida de Padre Pio se verificou na manhã do dia 20 de setembro de 1918 quando, rezando diante do Crucifixo do coro da velha e pequena igreja, recebeu o maravilhoso presente dos estigmas. Os estigmas ou as feridas foram visíveis e ficaram abertas, frescas e sangrentas, por meio século. Este fenômeno extraordinário tornou a chamar, sobre o Padre Pio a atenção dos médicos, dos estudiosos, dos jornalistas, enfim sobre toda a gente comum que, no período de muitas décadas foram a San Giovanni Rotondo para encontrar o santo frade.

Numa carta ao Padre Benedetto, datada de 22 de outubro de 1918, o Padre Pio narra a sua “crucifixão”: “O que posso dizer aos que me perguntam como é que aconteceu a minha crucifixão? Meu Deus! Que confusão e que humilhação eu tenho o dever de manifestar o que Tu tendes feito nessa mesquinha criatura!”

“Foi na manhã do dia 20 de setembro do mês passado ( setembro ) no coro, depois da celebração da Santa Missa, quando fui surpreendido pelo descanso do espírito, pareceu um doce sonho. Todos os sentidos interiores e exteriores, além das mesmas faculdades da alma, se encontraram numa quietude indescritível. Em tudo isso houve um silêncio em torno de mim e dentro de mim; senti em seguida uma grande paz e um abandono na completa privação de tudo e uma disposição na mesma rotina.”

“Tudo aconteceu num instante. E enquanto isso se passava, eu vi na minha frente um misterioso personagem parecido com aquele que tinha visto na tarde de 5 de agosto. Este era diferente do primeiro, porque tinha as mãos, o pés e o peito emanando sangue. A visão me aterrorizava, o que senti naquele instante em mim não sabia dizê-lo. Senti-me desfalecer e morreria, se Deus não tivesse intervindo sustentar o meu coração, o qual sentia saltar-me do peito. A visão do personagem desapareceu e dei-me conta de que minhas mãos, pés e peito foram feridos e jorravam sangue. Imaginais o suplício que experimentei então e que estou experimentando continuamente todos os dias. A ferida do coração, continuamente, sangra. Começa na quinta feira pela tarde até sábado. Meu pai, eu morro de dor pelo suplício e confusão que experimento no mais íntimo da alma. Temo morre en sangue, se Deus não ouvir os gemidos do meu pobre coração, e ter piedade de retirar de mim esta situação…”

Padre pio
Papa venera corpo de Padre Pio e reza

 

Durante anos, de todas as partes do mundo, os fiéis foram a este sacerdote estigmatizado, para conseguir a sua potente intercessão junto a Deus. Cinquenta anos passados na oração, na humildade, no sofrimento e no sacrifício, de onde para atuar seu amor, Padre Pio realizou duas iniciativas em duas direções: uma vertical até Deus com a fundação dos “Grupos de Ruego”, hoje chamados “grupos de oração” e outra horizontal até os irmãos, com a construção de um moderno hospital, a Casa Alívio do Sofrimento.

Em setembro de 1968, milhares de devotos e filhos espirituais do Padre Pio se reuniram em um congresso em San Giovanni Rotondo para comemorar o 50º aniversário dos estigmas e celebrar o quarto congresso internacional dos Grupos de Oração. Ninguém imaginava que às 2h30 da madrugada do dia 23 de setembro de 1968, seria o doloroso final da vida do Padre Pio de Pietrelcina. Eeste maravilhoso frei, escolhido por Deus para derramar a sua Divina Misericórdia de uma maneira especial.

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *